segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

A Era do Gelo, Glaciações e a Terceira Guerra Mundial

A Era do Gelo, Glaciações e a Terceira Guerra Mundial

Em outra ordem das coisas, sabemos que, se a temperatura do planeta subisse, poderia ocorrer uma catástrofe: os gelos se derreteriam e o "casquete" polar antártico emergeria ao ver-se livre do peso da massa gelada. Isto traria como conseqüência uma subida do nível das águas acima dos 400 metros, reduzindo a quase a metade o volume de terras habitáveis.
Mas poderia também ocorrer o contrário, algo que já aconteceu. Se o Sol penetra em uma nuvem de poeira cósmica, circunstância que já foi detectada, seus raios perdem intensidade calorífera e luminosa.


sistema solar


Os astrônomos comprovaram que desde há alguns anos o sistema solar, em seu constante deslocamento, vai penetrando em uma nuvem de poeira cósmica de enormes proporções (tardaremos 5.000 anos em atravessá-la). Dentro de alguns anos os efeitos começarão a ser sentidos: a Terra começará a morrer de frio. Terá começado outra glaciação.
Os efeitos imediatos serão a paralização de toda a classe de cultivos, o aumento de peso dos polos e em conseqüência transtornos no eixo de rotação, vários metros de gelo cobrindo toda a face da Terra e a morte de todos os seres vivos por impossibilidade de continuar existindo em um meio tão hostil. A vida terá que começar novamente a partir da água, como já o fez em um princípio. Esse pode ser o fim do mundo ou, pelo menos, o fim de nosso mundo, o fim de nossa civilização. Se a densidade da nuvem de poeira cósmica aumenta progressivamente, e isto é o que ocorrerá, não teremos que esperar um século. Não cai dentro do impossível que a vida sobre a Terra não chegue sequer a presenciar a chegada do ano 2.000.

A terceira e última guerra mundial
Nos ameaça ainda outro perigo. O artefato capaz de fazer voar pelos ares a este planeta está ao alcance de qualquer governo. Basta introduzir uma partícula de ferro quimicamente puro em um tubo toroidal que descreva uma circunferência de 50 quilômetros de diâmetro. Com isto pode ser obtida a arma mais destrutiva de todas e a mais fulminante. Ao cabo de nove meses aproximadamente o pedaço de ferro terá adquirido uma velocidade aproximada à da luz (300.000 quilômetros por segundo). Se nesse momento abrimos o tubo para expulsar a partícula de ferro, o choque com a atmosfera produzirá uma temperatura ao redor dos 3.000 trilhões de graus centígrados na zona local do impado; com o qual toda a atmosfera terrestre ficaria desintegrada em suas partículas mais elementares. A Terra seria convertida em uma bola de fogo que romperia toda a mecânica celeste de nosso sistema solar. Ao ser de-, pois atraído nosso planeta pelo sol, em um prazo máximo de dez dias a partir da primeira explosão, todo o sistema solar ficaria convertido em uma nova.

A bomba atômica, um jogo de meninos
A bomba atômica de Hiroshima já é um jogo de meninos comparada com os inventos posteriores no campo dos projéteis e explosivos A bomba de hidrogênio, a de cobalto e outras multiplicaram por mil os efeitos mortíferos de sua irmã menor. E há pouco apareceu o último grito: a bomba de neutrons, que mata a todo ser vivente, mas sem causar danos materiais, para que possam desfrutar de todas as comodidades os que vierem depois. Se restar alguém, claro.
Existe um amplo sortimento onde abastecer-se. Dentro de pouco o alfabeto não será suficiente para nominar os engenhos destruidores que o homem está criando. Possuimos a bomba de hidrogênio, a H, capaz de destruir uma cidade de 100 quilômetros quadrados e matar a tudo o que se encontre a 500 quilômetros de distância, o que não deve estranhar se tiver em conta que equivale a dez vezes a potência de todos os explosivos que foram utilizados durante a segunda guerra mundial. Agora já estão aperfeiçoando-a à base de nitrogênio; logo a conheceremos como a bomba N. Qualquer megalômano ambicioso que conte com os meios suficientes pode nos matar somente apertando um botão: então seria desencadeada uma reação em cadeia ordenada por computadores que estão programados aguardando este momento. Quando esse dia chegar não poderemos intervir nos acontecimentos.

1 comentários:

Anónimo disse...

Será que o «casquete» polar se refere à calota polar? Por que é que prefere a expressão espanhola?

Sabedoria divina

"Ter acesso à sabedoria divina é um assunto de almas e não de corporações ou instituições".

"Não podemos mais brincar de ser gente grande em nosso quintal de idéias e ilusões, enquanto há um mundo para cuidar,
um sonho para realizar, um planeta doente para salvar".

“O caçador busca a caça, a criança busca a mãe e o buscador da luz busca seus próprios defeitos e falhas em si mesmo”.
Paulo Veneziano, Maha Chohan

“O caminho da luz, que é o caminho da evolução, é responsável pela felicidade. Entretanto, para isso, cada um deve enfrentar e assumir sua própria
escuridão. Eu passei por isso, Jesus passou, Gautama passou, muitos outros passaram e você passará, cedo ou tarde;
cabe a você buscar e acelerar esse maravilhoso processo”.
Mestre Hilarion, Instrutor do Mundo

"Eu honro o lugar no Universo, que é de paz, alegria, amor e sabedoria.
Eu honro o lugar em você onde todo o universo habita...
E quando você está neste lugar em você e eu estou neste lugar em mim ,
Nós somos Um! "

AFIRMAÇÕES EM PROL DA PAZ

EM NOME E COM O PODER DA LUZ DE NOSSOS CORAÇÕES AFIRMEMOS mental ou verbalmente:

“EU SOU” o poder espiritual da PAZ, do AMOR, da UNIÃO vibrando em todos os corações humanos...

“EU SOU” o poder cósmico espiritual da PAZ, do AMOR, da UNIÃO, da PROSPERIDADE, manifestando-se em todo o orbe terrestre...

“EU SOU” o poder cósmico espiritual da PAZ, do AMOR, da UNIÃO, da PROSPERIDADE, da JUSTIÇA e da LIBERDADE, assumindo em definitivo o governo de todas as nações...

MULTIDÕES VAGAM NA TERRA SEM OPÇÃO, SEM O DIREITO DE ESCOLHER O PRÓPRIO DESTINO... QUE DEUS LHES CONCEDA A OPORTUNIDADE DE RESGATAR SUA VIDA E SUA PRÓPRIA DIGNIDADE.

Que assim seja.

Matando sem coração e sem respeito

Matando sem coração e sem respeito

Onde CHEGÁMOS ...

Onde CHEGÁMOS ...

Postagens populares

Número total de visualizações de página